Artigo – Dólar em alta, empresas baratas?

Por Fernando Cabral*

Não é de hoje que a alta do dólar é música aos ouvidos de grandes exportadores, afinal, moeda desvalorizada possibilita vantagem competitiva mundo afora. Com a deterioração do real, estrangeiros desfrutam de bens e insumos com baixo preço em nosso país tropical. Podemos dizer o mesmo para os investidores estrangeiros que desejam fazer fusões e aquisições (F&A) cross-border no Brasil?

Evidentemente que decisões de aquisições de empresas estrangeiras não se limitam a questões cambiais favoráveis. Outros fatores exógenos, como política, imprevisibilidade e intervenção do governo na economia, são algumas variáveis relevantes típicas de nosso país que influenciam a tomada de decisão. Segundo estudo feito pelo PhD em finanças e professor da Universidade Tulane (EUA), Eduardo Pablo, por meio de regressões logísticas, as determinantes que justificam F&A cross-border na América Latina são relacionadas aos maiores custos de financiamento que a empresa-alvo tem em relação às adquirentes.

Ao analisar a correlação da série histórica do Enterprise Value (valor real das companhias) das empresas listadas na B3 e o dólar no período de cinco anos (2014-2019), observa-se que não há evidências da influência da valorização do dólar no valor real das organizações, mesmo se for levado em consideração a representação de 45% dos estrangeiros na B3.

Fato é que a cada oscilação de desvalorização da moeda, ressurge nas mídias a ideia de existir boas oportunidades para estrangeiros adquirirem instituições brasileiras. Talvez uma explicação para isso seja a relação cognitiva de que viajantes pagam menos em países de moeda dispare. Tal suposição e pressuposto em fusões e aquisições teria a mesma lógica.

O que poucos mentalizam, porém, é: quando gastamos lá fora, no “dia seguinte” ganhamos em moeda local. Ao adquirente estrangeiro, que investe em países emergentes com câmbio desvalorizado – diferente do turista – receberá todos os fluxos futuros na moeda local, cuja conversão e repatriação será sempre desfavorável. Então, sob a ótica de criação de valor, o câmbio isoladamente parece não justificar o investimento.

Em meados de 2000, mesmo com o dólar desvalorizado, havia grandes investimentos estrangeiros no Brasil. Na época, emergiam expectativas: o Brasil era a “bola da vez”. Hoje, mesmo com o câmbio favorável para estrangeiros, as expectativas são baixas. A falta de previsibilidade minou qualquer possibilidade de investimentos internos e externos.

Por fim, encontrar ativos de qualidade que justifiquem a entrada de estrangeiros no Brasil nem sempre é tarefa fácil. O câmbio favorável ao adquirente internacional pode ser um estimulante adicional para F&A de baixo custo, mas embora atraentes, não são necessariamente criadores de valor. O barato sempre será relativo.

 

Artigo – Dólar em alta, empresas baratas?



VEJA MAIS SOBRE Notícias


Leilão de carros online: saiba como funcionam e quais os benefícios

Em tempos em que muitas cidades brasileiras estão sob quarentena, devido à pandemia do covid-19, eventos presenciais e aglomerações precisam ser evitados para evitar o contágio com o novo coronavírus, o que está fazendo com que muitas empresas privilegiem o canal online como forma de contato com compradores e de expôr os produtos que trabalha. […]

Leia mais

Clínica Osmilto Brandão retoma atendimento médico no Mundo Plaza

As consultas médicas na Clínica Osmilto Brandão serão retomadas na próxima terça-feira (14), apenas na unidade Mundo Plaza. Os pacientes poderão agendar um horário pelo telefone (71) 3204-5650 ou Whatsapp (71) 98802-6460. Os atendimentos ocorrerão de segunda a sexta-feira, das 10h às 19h.  Para assegurar o bem-estar dos pacientes e de toda a equipe da […]

Leia mais

Slaviero adota Home Office de equipe do Corporativo

A Slaviero Hotéis tomou medidas de precaução contra o avanço do Covid-19 seguindo as normas mundiais da OMS e do governo brasileiro, e produziu 3 materiais com foco na comunicação interna, dos quais constam manuais de prevenção e higiene de todas as suas áreas, equipamentos e rotinas da operação e administração de suas 30 unidades. […]

Leia mais

Marca lança tapete higiênico para pets com alta tecnologia em absorção

A Dog’s Care, acaba de lançar mais uma novidade: o Eco Tapete Higiênico High Premium. Um de seus diferenciais frente aos concorrentes é a camada extra-seca na superfície, o Dog Sec. A tecnologia desenvolvida pela empresa acelera a secagem da urina por meio da passagem rápida para a camada inferior, sem deixar que o líquido […]

Leia mais

Ford desenvolve tecnologia para evitar acidentes de ciclistas com portas abertas          

A Ford apresentou na Europa uma tecnologia para ajudar a evitar um tipo de acidente que tem se tornado comum com o aumento do número de motos, bicicletas e patinetes nas ruas: a colisão causada pela abertura de porta de carros estacionados – ver o vídeo. O “alerta de abertura de porta” emite sinais visuais e […]

Leia mais

FAÇA ESTE BLOG SER AINDA MELHOR, ESCREVA O SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *